Sagres manteve liderança no primeiro trimestre de 2017

A cerveja Sagres manteve a liderança no mercado nacional de cervejas, com uma quota de 42,7%, uma tendência que se prolonga desde outubro de 2008

A Sagres manteve a liderança no mercado nacional de cervejas no primeiro trimestre deste ano, de acordo com dados recolhidos pela consultora Nielsen,  a  que o Jornal Económico teve acesso. Segundo essas informações, nos primeiros três meses deste ano, a quota da Sagres fixou-se em 42,7%, contra 41,9%  garantidos pela rival Super-Bock.

Não foi possível apurar se estes valores de quotas das duas principais marcas de cerveja em Portugal representou um crescimento das vendas no mercado face ao período homólogo de 2016. No entanto, o ano passado foi o segundo consecutivo em que o consumo de cervejas no mercado nacional não esteve em queda, após sete anos seguidos de redução de vendas.
De acordo com a newsletter corporativa da Central de Cervejas (SCC), a que o Jornal Económico teve acesso, referindo-se aos dados de vendas do ano passado, “a cerveja Sagres prossegue a sua posição como a marca de cerveja mais vendida em Portugal, liderança essa que detém, de forma sustentável, desde outubro de 2008”.

No mesmo documento pode ler-se que, em 2016, “o mercado nacional cervejeiro em volume, segundo a Nielsen, esteve estável, com variação positiva de 1% para o canal Horeca [Hotelaria, Restauração, Cafetaria] e ligeiro decréscimo de 0,6% para o canal alimentar”. O mesmo documento acrescenta que, “no caso específico do portefólio de cerveja da SCC, as vendas, em volume, para o mercado nacional cresceram cerca de 3%” no ano passado, sem, contudo revelar, os valores absolutos.

Também sem revelar valores absolutos, a última edição da referida newsletter corporativa da Central de Cervejas sublinha que as exportações de cerveja da empresa representaram, em 2016, cerca de 12% do volume global de vendas de cerveja da SCC.
Mas o mix de vendas da empresa está cada menos dependente da Sagres. “A inovação continua a ser fundamental na nossa estratégia de crescimento do negócio. As inovações lançadas pela SCC no mercado nos últimos três anos corresponderam, em 2016, a 6,7% do valor global das vendas da empresa”, as tais sem valor descriminado.

O documento da SCC em causa destaca o relançamento da Bohemia, com as variantes Original, Pure Malte, Trigo, e a edição limitada de Bock, assim como as novas variedades Radler. É também referido o crescimento da categoria sidra, de 29% em volume, no mercado nacional, comparativamente a 2015, com destaque para a marca Strongbow, com uma subida de cerca de quatro pontos percentuais de quota, em volume.

“O nosso negócio da marca Luso, em 2016, teve um comportamento positivo, continuando o seu crescimento em volume em 4,1% no mercado nacional”, acrescenta a referida newsletter corporativa da SCC, mais uma vez sem referir os valores absolutos das vendas. A esse comportamento também se deve o lançamento da Luso Fruta Goiaba e Laranja, para a além da nova identidade visual Luso Fruta.

PUB
PUB
PUB