Renault R.S. 2027 Vision: Será assim a F1 em 2027?

A Renault revelou a sua visão do que será a F1 em 2027. O R.S. 2027 Vision antecipa o aspeto que terão os monolugares, a sua tecnologia e os materiais de que serão feitos. A estreia foi em Xangai.

Mais humana, mais espetacular e com corridas mais apaixonantes. É esta a visão da Renault para a Fórmula 1 em 2027 e, para o demonstrar, a marca francesa levou ao Salão de Xangai o Renault R.S. 2027 Vision, um concept futurista com o qual a marca reforça o seu compromisso de 40 anos com a disciplina rainha do desporto automóvel.

O concept R.S. 2027 Vision foi concebido pelas equipas de design da Renault, em colaboração com as da Renault Sport Racing, e integra alguns genes do ancestral Renault RS01 de 1977, como o motor V6 turbocomprimido, homenageando-o através de pequenos detalhes, como o defletor traseiro periférico e as cores da carroçaria – amarelo e preto, as cores tradicionais dos F1 com a assinatura Renault Sport. Com um nariz longo e afilado, asas laterais e quatro rodas descobertas, o design deste protótipo é mais simples e mais agressivo. Os LED dianteiros em forma de C e o losango iluminado aplicado no capô estabelecem uma ligação de identidade entre o monolugar e a atual gama da Renault. De cor branca, estes elementos passam a azul quando o modo elétrico é acionado.

Ao contrário do que acontece agora, o R.S. 2027 Vision tem um cockpit fechado. Transparente, oferece ao público uma visão completa do piloto sentado ao volante, protegendo-o, ao mesmo tempo, de estilhaços e outros elementos. Realizado em policarbonato ultrarresistente ao choque e à chama, é enquadrado por duas barras de segurança em titânio, que saem das suas posições originais em alguns milésimos de segundo em caso de capotamento, oferecendo ao piloto um verdadeiro espaço de sobrevivência e permitindo-lhe sair sozinho do monolugar em caso de acidente. As rodas integram luzes LED ativas, que exibem diversas informações, como a posição do piloto, a situação energética do monolugar, etc., facilitando a compreensão de espetadores e telespetadores.

Este monolugar do futuro integra funções de condução autónoma, acionadas automaticamente quando algum incidente ocorre na pista (safety car, virtual safety car, bandeira amarela, etc.), para limitar os riscos de acidentes graves e garantir a segurança de pilotos e comissários. O R.S. 2027 Vision utiliza, tal como o Trezor, intensivamente a impressão 3D, substituindo alguns materiais compósitos difíceis de reciclar, opções que os tornam mais “limpos” e seguros, sem renunciar à essência da competição. Ao meso tempo, o peso diminui consideravelmente, para os 600 kg.

Além de um motor térmico de seis cilindros em V sobrealimentado e com injeção direta multiponto, este monolugar possui um sistema de recuperação e restituição da energia cinética de 500 kW – contra os 120 kW para um F1 de 2017 – graças às duas unidades do tipo ERS-K, uma à frente e outra atrás, cada uma com 250 kW de potência, conferindo aos monolugares do futuro tração integral. As baterias, com o dobro da capacidade energética das atuais são suficientes para alimentar permanentemente os dois motores de 250 kW e permitir uma utilização 100 % elétrica do carro em determinadas fases, como a volta de formação, a entrada e saída das boxes, etc.