Reino Unido reconhece pela primeira vez que terá de pagar custos do Brexit

As declarações do Governo britânico sobre os custos da decisão de abandonar o espaço europeu foram bem recebidas na União Europeia, que considera serem um desenvolvimento importante nas negociações do processo do Brexit.

Paul Hackett/Reuters

O Governo britânico admitiu pela primeira vez ter obrigações financeiras para com a União Europeia, no que toca à sua decisão de acionar o artigo 50º do Tratado de Lisboa para abandonar o espaço europeu. Anteriormente, o ministro dos Negócios Estrangeiros britânico, Boris Johnson, tinha-se mostrado irredutível na decisão de não pagar a fatura do Brexit e não deixar que Bruxelas “exturca” dinheiro ao Reino Unido.

O reconhecimento das responsabilidades britânicas foi feito num comunicado da secretaria de Estado para o Brexit ao Parlamento britânico. Joyce Anelay, responsável pela pasta, que escreve que “o Reino Unido tem obrigações com a União Europeia, que permanecerão mesmo depois da saída do bloco e que, por isso, precisam de ser resolvidas”.

As declarações do Reino Unido sobre esta matéria foram bem recebidas na União Europeia, que considera serem um desenvolvimento importante nas negociações do processo do Brexit. A Comissão Europeia estima que a saída do país da comunidade vá custar cerca de cem mil milhões de euros ao Governo britânico, relativas a contribuições pendentes para a União Europeia.

“Esta declaração [do Reino Unido] vai mais além nas negociações”, afirma um diplomata da União Europeia envolvido no processo do Brexit ao jornal britânico ‘Financial Times’. “Esta decisão põe fim a um choque nas negociações da próxima semana. Teria sido um problema real se não tivéssemos feito nenhum progresso nesta matéria”.

Joyce Anelay diz ainda que “o Governo tem sido claro que vai trabalhar com a União Europeia para determinar um acordo justo para os direitos e deveres do Reino Unido como Estado-membro de partida, de acordo com a lei e espírito da nossa contínua parceria”.



Mais notícias