Refugiados chegam a Portugal e voltam a sair. “Sentem-se perdidos”

Dos 957 que o país recebeu, com o acordo com a União Europeia, mais de 200 saíram novamente de Portugal. A Comissão Europeia pretende prevenir estes movimentos.

Dos 957 refugiados que o país recebeu há dois anos, com o acordo com a União Europeia, mais de 200 saíram novamente de Portugal. O fenómeno não é novo e tem afetado vários Estados membros da União Europeia, no entanto, só nos últimos dois meses mais de cem refugiados abandonaram o território nacional.

Os números foram divulgados pelo “Diário de Notícias”, este sábado, que contactou fontes da Comissão Europeia para as Migrações para perceber o que está a ser feito para os controlar. “Foram indicadas aos Estados membros medidas para prevenir estes movimentos”, explicou ao DN o porta-voz.

As entidades que estão responsáveis pelos refugiados, entre as quais o Conselho Português para os Refugiados, o Serviço Jesuíta aos Refugiados e a Câmara Municipal de Lisboa, contabilizaram até agora 219 fugas oficiais, num universo de 680 que haviam recebido. Já o Governo português não admite que os números sejam tão elevados e adianta que não existem falhas no processo de integração dos migrantes no país.

O director do Serviço Jesuíta aos Refugiados, André Costa, assegura ao matutino que os migrantes não abandonam o país por “confronto” a Portugal. Porém, saem devido a ter planeado construir a sua vida no norte da Europa. “Não sentem hostilidade pelo nosso país. Sentem-se perdidos”, afirma.





Mais notícias