PSD: crescimento económico deve-se a reformas do governo anterior e estímulos externos

“A quota de mérito deste Governo é o que resta do que não estragou do que vinha de trás”, disse o deputado Luís Campos Ferreira.

O PSD afirma que o crescimento económico face aos primeiros três meses do ano se deve às reformas do governo anterior e aos estímulos externos. “A quota de mérito deste Governo é o que resta do que não estragou do que vinha de trás”, escreveu o deputado Luís Campos Ferreira na newsletter do partido.

O deputado refere ainda a necessidade de ambição, já que a economia de Portugal está ainda entre as menos dinâmicas da Europa. Para Campos Ferreira, o atual Executivo não está a aproveitar “devidamente” a conjuntura internacional positiva.

Para o deputado Luís Campos Ferreira as “bases que o Governo anterior deixou” e que passam por “um conjunto significativo de reformas, na área laboral, na área tributária (IRC), de incentivos e uma atmosfera criada junto do tecido empresarial, para que as empresas se vocacionassem ainda mais para a exportação” são uma das fontes de crescimento que contribuem para a economia.

A contribuir para o crescimento estiveram ainda os “bons estímulos externos que a economia portuguesa está a ter”, disse o social-democrata.

“Ao contrário do que foi sempre a teoria deste Governo, de que a economia cresceria com base no consumo interno, tem-se verificado que o crescimento económico de Portugal é fruto daquilo que são os estímulos internacionais, do comércio internacional”, disse ainda.





Mais notícias