Produção anual de seguro direto aumenta 4,1% e atinge 350 milhões de euros

No contexto dos Fundos de Pensões, os montantes geridos cresceram 7% em relação ao final de 2016, atingindo cerca de 19,8 mil milhões de euros.

Em 2017, a produção de seguro direto, relativa à atividade em Portugal, das empresas de seguros sob a supervisão da Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF) apresentou, em termos globais, um aumento de 4,1% face a 2016 para a qual foi determinante tanto o acréscimo de 3,2% verificado no ramo Vida como o de 5,6% verificado nos ramos Não Vida.

O resultado líquido global apurado neste período foi de cerca de 350 milhões de euros. Os rácios de cobertura do Requisito de Capital de Solvência (SCR)1 e do Requisito de Capital Mínimo (MCR)2, em dezembro de 2017, situaram-se em 177% e 546%,

O “Relatório de Evolução da Atividade Seguradora e dos Fundos de Pensões de 2017”, da ASF, detalha ainda que, no mesmo período, os custos com sinistros registaram uma diminuição de 23,3%, em resultado do decréscimo de 32,8% no ramo Vida e do acréscimo de 9,8% nos ramos Não Vida.

No que diz respeito à evolução das contribuições para os fundos de pensões e o montante dos benefícios pagos, estes registaram um aumento de 22,1% e um decréscimo de 4,2%, respetivamente, face ao período homólogo do ano anterior. Os montantes geridos cresceram 7% em relação ao final de 2016, atingindo cerca de 19,8 mil milhões de euros.

O número de fundos de pensões sob gestão passou de 219 para 224, em resultado da constituição de três fundos fechados, dois fundos PPR e dois fundos abertos de adesões coletivas e individuais e da extinção de dois fundos fechados.




Mais notícias
PUB
PUB
PUB