Presidente da África do Sul anuncia “demissão imediata”

Jacob Zuma não resistiu à pressão do partido, o ANC, e acabou por acatar a sua decisão. É suspeito de vários crimes de corrupção.

Florescimento da África do Sul

O Presidente da África do Sul, Jacob Zuma, anunciou hoje a demissão do cargo, “com efeitos imediatos”, acatando as ordens do partido, o Congresso Nacional Africano (ANC).

“Decidi demitir-me do cargo de Presidente da República com efeitos imediatos, apesar de discordar da direção do meu partido”, afirmou Zuma, numa declaração transmitida pela televisão e citada pela agência Lusa.

A declaração foi feita horas depois de, numa entrevista, Zuma ter recusado ceder à exigência do partido, que na segunda-feira lhe deu 48 horas para se demitir, e afirmado que aceitaria contudo a decisão do parlamento, que tem previsto votar nesta quinta-feira uma moção de censura.

Zuma tinha afirmado que apenas se demitiria se a moção de censura vencesse, mas acabou por não conseguir resistir à pressão do partido. Zuma é suspeito de uma longa lista de crimes, que apontam para casos de corrupção relacionados com a compra de equipamento militar na década de 1990, negócios de que o presidente sul-africano pode ter beneficiado diretamente.




Mais notícias