Portugueses são os europeus que pagam mais pela luz e gás

Ajustado ao poder de compra, Portugal lidera a lista dos países da União Europeia com preços mais caros tanto na eletricidade como no gás, segundo dados do Eurostat.

Os preços da eletricidade desceram 2,3% na média da União Europeia (UE) no último semestre de 2016, face ao mesmo período do ano anterior, fixando-se em 20,5 euros por 100 quilowatts-hora (kWh). Já os preços do gás caíram 10,5% para uma média de 6,4 euros por 100 kWh.

No entanto, os portugueses são os europeus que mais pagam pela eletricidade e gás, segundo dados ajustados ao poder de compra, divulgados esta segunda-feira pelo Eurostat.

Excluindo o ajustamento, os portugueses pagam pela eletricidade 23,64 euros por 100 kWh, acima da média europeia e apenas atrás da Dinamarca (30,84 euros), Alemanha (29,77 euros) e Bélgica (27,45 euros).

Em termos de paridade de poder de compra, Portugal ultrapassa todos os outros países e lidera a lista de país com preços mais elevados, nos 30,2 PPS (purchasing power standards). Entre o último semestre de 2015 e o mesmo período de 2016, os preços aumentaram 3,5% em Portugal.

Por outro lado, os europeus que menos pagam estão na Bulgária (9,38 euros), Hungria (11,25 euros) e Lituânia (11,71 euros). Os impostos representam mais de um terço do valor pago pelos europeus nas contas da eletricidade (36%).

Fonte: Eurostat

No caso do gás, os portugueses pagam 8,26 euros por 100 kWh, mais 2,2 euros do que a média dos euros. Apenas os suíços, os espanhóis e os italianos pagam mais pelo gás, com valores de 11,42 euros, 8,57 euros e 8,38 euros, respetivamente.

Em termos de poder de compra, os preços do gás em Portugal são os mais elevados da lista, alcançando os 10,6 PPS. O valor do gás caiu, no entanto, 15,9% nos últimos seis meses do ano passado face ao período homólogo.

Os países da UE com faturas de gás mais baixas são a Bulgária, a Roménia e a Estónia, que pagam 3,1 euros, 3,2 euros e 3,3 euros, respetivamente, por cada 100 kWh. Os impostos no gás representam 26%, ou um quarto, das faturas, na média da UE.

Fonte: Eurostat

Mais notícias