Portugal obrigou Alemanha a admitir que estava errada, segundo a Foreign Policy

Há menos de dois anos, Schaüble avisava Portugal que recusar seguir as regras significaria uma queda da economia e um novo resgate. Mas desde então, a política de Centeno é elogiada, incluindo pelo ex-ministro das Finanças alemão.

Portugal emergiu no contexto europeu contra a Alemanha, escreveu esta semana a Foreign Policy (FP). Segundo a revista, a economia nacional está de volta nos carris através do abandono da austeridade, o que obrigou a Alemanha a admitir que estava errada.

“A chanceler alemã Angela Merkel não é habitualmente uma pessoa que admita estar errada, mas este outono, no que diz respeito à sua crença na austeridade na Europa, Merkel, e o então ministro das Finanças Wolfgang Schaüble, teve de o fazer”, defendeu o artigo de Paul Hockenos.

“Centeno constituiu uma mudança no caminho”, referiu sobre o ministro das Finanças português e recém-eleito presidente do Eurogrupo. A FP lembrou que Portugal recebeu 78 mil milhões de euros de resgate, mas o governo que Mário Centeno integra, apoiado pelos partidos da esquerda, “abalou as ordens de marcha dos credores do norte e da troika composta pelo Banco Central Europeu, pela Comissão Europeia e pelo Fundo Monetário Internacional”.

Há menos de dois anos, Schaüble avisava Portugal que recusar seguir as regras significaria uma queda da economia e um novo resgate. Mas desde então, os “desvios cautelosos” de Lisboa foram dignos de aplausos até entre os defensores da disciplina orçamental, como o ex-ministro das Finanças alemão.

“Portugal provou que é possível um país em dificuldades desafiar a austeridade imposta pela Alemanha na UE e ainda assim ter sucesso. Isso não sugere que só porque Centeno é de um governo de esquerda, terá ambições políticas radicais em Bruxelas. Mas, como presidente do Eurogrupo, irá executar funções num órgão cujo significado cresceu imensamente ao longo da crise financeira e será primordial na orientação dos processos de reforma que ainda estão por vir”, acrescentou.






Mais notícias
PUB
PUB
PUB