Portugal caiu 13 posições no Índice de Liberdade Económica porque reformas “perderam impulso”

A economia nacional desceu no ranking da liberdade económica, mas continua acima da média mundial. O ritmo das reformas no país e o sistema bancário estão entre os problemas identificados.

Portugal recuou 13 posições no Índice de Liberdade Económica de 2017 e está agora no 77º lugar, de acordo com o relatório anual da Fundação Heritage. A diminuição da liberdade económica medida pelo índice é justificada por desafios que exigem um ajuste urgente da política económica e reformas que perderam impulso.

“Portugal continua a enfrentar desafios que exigem um ajuste urgente da política económica. As reformas anteriores, que ajudaram a modificar e diversificar a base produtiva da economia, perderam impulso”, refere o relatório que analisou este ano 186 economias do mundo. Os dados foram divulgados na quarta-feira pela fundação sediada em Washington, nos Estados Unidos, e citados pela agência “Lusa”.

A economia portuguesa é classificada como moderadamente livre, com 62,6 pontos. Isto significa uma diminuição de 2,5 pontos em relação a 2016, ano em que Portugal ocupava a 64ª posição. Apesar da descida, Portugal fica acima da média mundial, que é de 60,9 pontos e é a mais alta registada nos 23 anos de história do Índice.

“Apesar dos sólidos contextos institucionais, como um quadro empresarial eficiente e um sistema judicial independente, o setor público endividado e ineficiente desgastou o dinamismo do setor privado e reduziu a competitividade global da economia”, explica o relatório sobre Portugal.

“As prioridades da reforma incluem a redução dos défices orçamentais que elevaram o nível da dívida pública a mais de 100% do PIB e aumentaram a flexibilidade do mercado de trabalho. No entanto, o ritmo da reforma diminuiu. O sistema bancário continua fraco”, acrescenta.

Mais notícias