Porto: Parquímetros de rua são mais caros que garagens de estacionamento

E essa é uma realidade bem assente na cidade do Porto. Média por hora, em parques cobertos, rondam os 80 cêntimos.

Nos dias de hoje, encontrar um lugar gratuito para o carro é uma tarefa complicada. Desta forma, são nos disponibilizadas soluções dispendiosas como parquímetros de rua ou garagens. No entanto, ficou apurado que estacionar o carro na rua sai mais caro que estacionar numa garagem. E essa é uma realidade bem assente na cidade do Porto.

Conforme noticia o Jornal de Notícias (JN) na sua edição de hoje, são várias as garagens de recolhas da Baixa do Porto que, atualmente, praticam preços inferiores aos parquímetros de rua. Exemplificando, enquanto que na rua, uma hora custa um euro, num espaço coberto o valor por hora já ronda os 80 cêntimos.

Fernando Pinheiro, gerente da Garagem Alves da Viega (que antigamente funcionava como oficina), que alberga até cem carros, alega aparecerem diversos turistas para ali estacionarem o carro. “Perdemos o estacionamento curto, mas ganhamos o longo e ainda aparecem bastantes turistas”, declarou ao JN.

Outro exemplo é o parque D. João IV, com cerca de um ano. Pedro Ferreira, operador neste parque, explica que, o espaço “era um stand de carros e uma oficina”, antes de se ter tornado uma garagem, com 64 lugares, 25 dos quais ocupados por avenças diurnas e noturnas.

Os restantes lugares são para estacionamento de curta duração, ao preço de 80 cêntimos por hora. De dimensão grande e bem iluminada, há dias em que o estacionamento alberga mais carros espanhóis, que portugueses e os turistas parabenizam, afirmando nunca terem visto “um parque assim”, continua Pedro Ferreira, ao JN.

Quando questionado pelo orgão social sobre se não seria um desperdício ocupar uma área tão grande como estacionamento coberto, o operador anuncia que até ao final deste ano, a garagem vai ter mais um piso, ficando com capacidade para perto do dobro dos carros, neste caso, 120.

 

Mais notícias