PGR investiga novos casos de viagens oferecidas a políticos

Num processo independente do 'Galpgate', o Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa está a investigar autarcas e deputados.

Deputados e autarcas estão a ser investigados num novo processo relacionado com a oferta de viagens para assistir a jogos durante o Euro 2016. O caso é independente do Galpgate e está a cargo do Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa, que está a avaliar o recebimento indevido de vantagem por titulares de cargos políticos, segundo noticia esta quinta-feira a SIC Notícias.

Em causa estão viagens oferecidas pela agência Cosmos durante o campeonato de futebol europeu. A Procuradoria-Geral da República (PGR) confirmou à SIC que está a decorrer um novo inquérito que investiga factos relacionados com viagens, refeições e bilhetes para o Euro 2016, sendo que este está neste momento em segredo de justiça.

Na passada segunda-feira, a PGR anunciou que os três secretários de Estado exonerados – dos Assuntos Fiscais, da Internacionalização e da Indústria – foram constituídos arguidos, num caso semelhante. O Ministério Público determinou a constituição de arguidos de Fernando da Rocha Andrade, Jorge Oliveira e Costa e João Vasconcelos no âmbito do inquérito relacionado com viagens ao Euro 2016 e que estão em curso diligências para a concretização desse despacho.

Neste processo, que ficou conhecido como Galpgate, investiga-se o pagamento pela Galp Energia de viagens, refeições e bilhetes para diversos jogos da seleção nacional no Campeonato Europeu de Futebol de 2016. Em causa estão factos suscetíveis de integrarem a prática de crimes de recebimento indevido de vantagem, previstos na Lei dos Crimes de Responsabilidade de Titulares de Cargos Políticos (Lei 34/87 de 16 de julho).

PUB
PUB
PUB