PepsiCo: 25 mil a 100 mil euros a empresas que desenvolvam ideias em matéria de nutrição

O programa destina-se a empreendedores do setor da alimentação e bebidas cujas marcas registem vendas anuais não superiores a dois milhões de euros.

A PepsiCo, empresa multinacional de alimentos e bebidas, anunciou o lançamento do programa colaborativo de incubação, denominado PepsiCo Nutrition Greenhouse. 

Concebido para apoiar o crescimento de marcas emergentes em matéria de nutrição, saúde e bem-estar na indústria da alimentação e bebidas, o PepsiCo Nutrition Greenhouse  está aberto a todos os empreendedores do setor da alimentação e bebidas cujas marcas registem vendas anuais não superiores a dois milhões de euros, nem estejam em concorrência direta ou indireta com a PepsiCo ou qualquer das suas marcas.

Ao todo, serão selecionadas até oito empresas que terão a oportunidade de se associarem a especialistas da PepsiCo que gerem marcas como a Quaker, Alvalle, Naked e Tropicana.

Cada uma das empresas selecionadas receberá um apoio de 25 mil euros e entrará no programa de incubação que terá uma duração de seis meses onde serão realizados eventos presenciais e virtuais. Para além disso, o programa irá incluir a colaboração de executivos da PepsiCo.

No final do programa, a empresa vencedora receberá um prémio de 100 mil euros para prosseguir com a expansão.

O PepsiCo Nutrition Greenhouse procura ajudar a que marcas emergentes alcancem o seu potencial de mercado através da orientação sobre otimização de marcas, desenvolvimento de produtos, gestão da cadeia de fornecimento, aquisição de clientes e distribuição.

As candidaturas encontram-se disponíveis aqui.

Em 2016, a PepsiCo gerou mais de 63 mil milhões de dólares de receita líquida. Em comunicado, Juan Ignacio Amat, vice-presidente de Nutrição da PepsiCo Europa Ocidental e África subsariana e líder do programa refere que o objetivo “é que a taxa de crescimento de vendas da nossa oferta de Nutrição supere a taxa de crescimento de vendas do resto da carteira global”, uma vez que “a procura dos consumidores por alimentos e bebidas mais nutritivas continua a aumentar e esta é uma área entusiasmante para a nossa indústria”, explica.

 



Mais notícias