Vieira da Silva: Pensionistas vão receber menos mas não serão penalizados

Num vídeo publicado no Twitter, o ministro refere que com a aprovação do Orçamento do Estado para 2017 são atualizadas todas a pensões até um valor de 842 euros.

Esta quinta-feira, o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social assegurou que os pensionistas não serão prejudicados no valor das respetivas pensões este ano, apesar de o montante que vão receber em janeiro ser um “pouco mais baixo”.

“Com a aprovação do Orçamento do Estado para 2017 são atualizadas todas a pensões até um valor de 842 euros. Essa atualização irá acontecer já a partir do mês de janeiro, mas acontece que no mês de janeiro poderá ter um valor um pouco mais baixo na sua pensão”, afirmou, em vídeo.

Os pensionistas da Segurança Social e da Caixa Geral de Aposentações irão receber em novembro ou em dezembro metade do subsídio de Natal, sendo a outra metade paga em duodécimos ao longo do ano, o que se traduz numa redução mensal do montante das pensões, que será sentida já em janeiro.

“Aquilo que podemos garantir é que com esta atualização e com o aumento extraordinário, que para muitos pensionistas será em agosto, no final do ano de 2017 o valor da sua pensão será seguramente maior para a esmagadora maioria dos pensionistas, do que aquele que existiu em 2016”, garante o governante.

Embora haja uma redução já este mês, o responsável pela pasta do Trabalho salienta que “isso não quer dizer” que os pensionistas sejam prejudicados “no valor das suas pensões” uma vez que, “ao contrário dos anos anteriores, passará de novo a existir o subsídio de Natal”.

Num encontro com jornalistas, a 4 de janeiro, José António Vieira da Silva indicou que as pensões serão processadas em janeiro já com o aumento em linha com a inflação até 838,44 euros, mas com os duodécimos do subsídio de Natal pagos a 50%, o que fará encolher o rendimento mensal dos pensionistas.

O subsídio de Natal deixou de ser pago integralmente em 2013, passando a ser distribuído pelos pensionistas pelos 12 meses do ano, até ao ano passado. A atualização de todas as pensões até aos 842,64 euros à taxa de inflação de 0,5% abrange, de acordo com a equipa de Vieira da Silva, 86% do universo dos pensionistas.

Os beneficiários da atualização extraordinária prevista para agosto para os pensionistas com pensões totais inferiores a 631,98 euros (de 10 ou seis euros, dependendo do tipo de pensão) poderão ainda contar com um acerto no final do ano.

De janeiro a agosto, o duodécimo é calculado com base na pensão de janeiro e, no final do ano, será processado o valor dos restantes 50% do subsídio de Natal, incluindo um acerto do diferencial, uma vez que o subsídio de Natal é pago por referência ao mês de dezembro.

  • Margarida Campos

    Este Governo tinha apostado no aumento de rendimentos para provocar aumento de consumo. Agora, retira rendimento mensal para o repor só no final do ano. Vai ser nessa altura que os pensionistas vão pagar as despesas que foram fazendo ao longo do ano ou vão diminuir o consumo por falta de rendimento? E as pessoas vão ficar satisfeitas quando tudo aumenta mais que a inflação e a reforma diminui? Parece-me uma má opção. Pelo menos, podiam ter dado a escolher como acontece com os do ativo.

    • oleg

      é uma má medida de que não se vislumbra a utilidade a não ser por o estado a poupar, em Dezembro até pode ser que este governo já nem exista ou sequer haver dinheiro para pagar subsídio de natal

      • José Alberto Popinha Ramos

        Eu prefiro a reposição do subsidio de Natal uma excelente medida isso dos duodécimos foi para enganar o povinho e contrabalançar o enorme aumento de IRS, gosto de saber quanto ganho.

        • oleg

          arrisca-se a não receber
          e de qualquer modo recebe só no fim do ano

    • Marilia Morais

      Parece-me que as pessoas não sabem bem o que querem. Uns dias querem o subsídio de Natal de uma só vez, outras querem-no em duodécimos….
      Em que ficamos?!?!

      • Falconet

        E que tal dar a escolher às pessoas?

        Uns querem o subsidio em Novembro, porreiro.
        Outros querem em duodécimos, porreiro.

  • JR

    Este pardal também é uma boa prenda.

  • Monhé

    Como? Vou receber menos e não sou penalizado? Ora faça um desenho para eu fazer de conta que percebo a lógica.

    • pjcm

      Burro!

      • Monhé

        Não sou o seu pai. Tento na língua.

        • pjcm

          Xiu!

    • Falconet

      Com o argumento do senhor Ministro, que não faz nenhum ser assim e tirar rendimento mensal não faz diferença às pessoas, passemos a receber o nosso salário 1 vez por ano. As contas é que continuam a ser pagas mensalmente. Mas é neutro porque no ano recebe-se o mesmo.

  • Born in 1960

    Simples. Trata-se de repor o subsídio de Natal por inteiro, em Dezembro, como os nossos pensionistas estavam habituados, mas feito em duas fases.

  • José, Província

    Convém explicar mais vezes as pessoas vão pensar que lhe cotaram na pensão. Eu preferia receber os dois subsídios (ferias e natal) todos os meses. No salário não tenho esse problema já que há muitos anos que só recebe 12 meses.
    Não tenho necessidade que o estado fique com o meu dinheiro até Novembro.
    Agradeço a este governo o fim da CES, era um corte bastante grande numa reforma bastante alta.

    • Trumputin.

      Véumdh..
      ….

    • Ignorante

      Deixe lá, não tarda a ser o que era!

  • Falconet

    Com o argumento do senhor Ministro, que não faz mal nenhum ser assim e tirar rendimento mensal dos duodécimos não faz diferença às pessoas porque no ano inteiro recebe-se mais, passemos a receber o nosso salário 1 vez por ano. As contas é que continuam a ser pagas mensalmente. Mas é neutro e não faz mal porque no ano recebe-se o mesmo. Que bom ter este grande Ministro responsável por esta tão importante área da Governação.

    • Castedo Douro

      e lá vai o ministro rezando para que morram antes do fim do ano, sempre poupa uns trocos.

  • Jorge Marques de Tocqueville

    Aqui está o paradigma das reversões: bem explicadinha a coisa e as pessoas até se sentem melhor, com menos dinheiro mas melhor. Nem interessa se é por duodécimos ou por outra tanga qualquer, receberam de volta o que têm de pagar em adicionais de taxas e impostos, mas as pessoas sentem-se melhor(!?). Ainda bem que a crispação já era que agora é tempo de efabulação, ainda bem que já não se batem recordes de mortes por gripe porque os idosos estavam abandonados, ainda bem que a dívida que nos sugava a 3,5% está resolvida a 4,25%, ainda bem que os jornalistas têm o mesmo zelo e crivo de vampirização que ostentavam em 2015, ainda bem…
    Excelentíssimo cidadão-eleitor, o seu Governo informa que está mais rico! Se não dá por nada é porque insiste em mexer com as mãos nos bolsos próprios em vez de procurar em bolsos alheios, ainda não entende o socialismo mas lá chegará e aí (re)conhecerá o paraíso como já é graça concedida a gregos e venezuelanos.
    É o socialismo estúpido(s)!

    • Trumputin.

      Os pensionistas vao receber MAIS em 2017.

      Voce sabe isso mas e’ um ALDRABAO do C@#$%^o.

  • Revoltado

    As vezes nesta lavagem a gente com menos formação sempre fica prejudicado…essa coisa do quem de 2 tira quantos ficam….bem acho que ta tudo dito…em primeiro lugar já tem o dinheiro para a CGD e para o NB…depois para essa altura vamos ver se haverá dinheiro…esse é o grande problema…já não acredito em ninguém…hoje fujo de todos que estejam de fato e gravata…não sei porquê?

  • Ignorante

    Quando voltar a troika, com mais um brutal aumento de impostos logo regressam os duo-décimos outra vez para compensar …

  • Jota C.

    Ó Vieira (virolho), o burro sou eu!

  • Vine

    Ora bem, não há problema nenhum, já que no fim do ano recebem tudo. Os pensionistas que se sentirem prejudicados podem sempre dizer à EDP que pagam as contas todas no final do ano também. Espectacular a maneira como o Estado usa e abusa a seu bel-prazer de um DIREITO dos cidadãos como se fosse uma esmola que lhes dá, tudo para satisfazer caprichos contabilísticos. Parem de mexer nas reformas das pessoas! Quando foi para descontar, essa gente descontou TODOS OS MESES, não conforme lhes apeteceu.