Pedro Calado critica “lóbi político vergonhoso” sobre Zona Franca e questiona como se iria repor receita fiscal se desaparecesse CINM

O governante criticou a deputada do PS, Ana Gomes, por "estar a dar cabo e a denegrir" o Centro Internacional de Negócios da Madeira (CINM). Pedro Calado esclareceu que "as questões que têm sido levantadas pelas entidades europeias são técnicas" e afirmou que juntamente com a República o Governo Regional "vai continuar a defender os interesses" do CINM.

Assembleia Legislativa da Madeira

A Zona Franca da Madeira, e em particular o Centro Internacional de Negócios da Madeira (CINM), foi um dos temas que emergiu na discussão do Orçamento Rectificativo. O vice-presidente do Governo Regional, Pedro Calado, afirmou que se um dia a receita fiscal obtida através desta via desaparecer a Região “terá um problema muito complicado” para repor essa verba e criticou ainda o “lóbi político vergonhoso” que tem sido feito sobre este assunto.

O governante esclareceu a Assembleia Regional que as questões que têm sido levantadas pela entidades europeias, relativamente à Zona Franca, “têm sido técnicas que nós vamos responder como sempre fizemos”.

Pedro Calado deixou críticas à deputada do PS, Ana Gomes, por “estar a dar cabo e a denegrir” o CINM. O governante, criticou o “lóbi político vergonhoso” que tem existido sobre a Zona Franca, e questionou que num cenário em que este organismo desapareça “como é que se vai repor os 200 milhões de euros de receita fiscal”.

“O CINM é importante para a Madeira”, vincou. Pedro Calado esclareceu que juntamente com o executivo central se tem feito trabalho no sentido de defender os interesses do CINM.

O governante disse ainda que o que incomoda a oposição na Madeira é o executivo regional “estar a melhorar muito a vida dos madeirenses”. Pedro Calado afirmou que já foi reduzido o “IRS, IRC, ISP e que a carga fiscal já caiu 2% na Região enquanto que na República se tem aumentado”, acrescentou.






Mais notícias
PUB
PUB
PUB