Patrão da indústria do calçado diz que faltam 2.000 trabalhadores no setor

Presidente da Associação Portuguesa da Indústria do Calçado, Componentes, Artigos de Pele Sucedâneos (APICCAPS) afirma, em entrevista ao “Jornal de Negócios”, que esta necessidade se sente em todas as áreas da indústria do calçado, curtumes e empresas em atividades adjacentes.

O presidente da Associação Portuguesa da Indústria do Calçado, Componentes, Artigos de Pele Sucedâneos (APICCAPS) afirma, em entrevista ao “Jornal de Negócios” que a indústria do calçado necessita de, pelo menos, mais 2.000 trabalhadores.

Luís Onofre diz que “a indústria portuguesa não produz mais porque não há mão de obra qualificada que seja suficiente para as encomendas que temos”, estendendo-se esta carestia a todas as áreas da indústria do calçado, curtumes e empresas em atividades adjacentes.

O presidente da APICCAPS revela insatisfação com o aumento de 2,8% das exportações no ano passado, face a 2016, apesar de representarem um novo recorde, em volume.

Na entrevista ao “Jornal de Negócios”, Luís Onofre diz que o setor foi prejudicado por questões relacionadas com mercados específicos – como o Brexit no Reino Unido – e, também, pela meteorologia. Diz que o inverno foi “desastroso” e aponta que a indústria devia ser considerada como a agricultura, por causa da influência do tempo na atividade.






Mais notícias