Passos Coelho desafia Governo a esclarecer “venda parcial” do Novo Banco

"O que aconteceu é uma venda parcial, o que significa que em vários anos se manterá em aberto a titularidade de 25% de capital", disse o presidente do PSD.

Rafael Marchante/Reuters

Pedro Passos Coelho afirmou hoje que o Governo e o Fundo de Resolução têm de justificar porque motivo não concretizaram a venda total do Novo Banco, mas apenas a venda parcial, de 75%.

“O que aconteceu é uma venda parcial, o que significa que em vários anos se manterá em aberto a titularidade de 25% de capital, que é uma solução que tem de ser partilhada por todos os outros bancos do sistema bancário, e isso não me parece ser uma boa solução”, afirmou o líder do PSD, num texto publicado na página do partido.

“O Novo Banco vai continuar sem dono”, afirmou o Passos Coelho, acrescentando que, com a venda de apenas 75% do banco, manter-se-á durante vários anos “em aberto a titularidade de 25% do capital”.

Também aos jornalistas, na Guarda, no final da sessão de abertura da Convenção Autárquica Distrital do PSD, onde foram apresentados os candidatos autárquicos às 14 câmaras municipais do distrito, Passos deixou a mesma mensagem.



Mais notícias