Papa Francisco recusou falar do encontro com Trump

Encontro do líder da Igreja católica com o presidente norte-americano deve aconter no dia 24 de maio, durante a visita de Trump a Itália para participar na cimeira do G7, em Sicília.

REUTERS/Tony Gentile

O Papa Francisco, quando questionado pelos jornalistas em relação ao que esperava do encontro que tem marcado com o atual presidente norte-americano, Donald Trump, decidiu não prestar declarações prévias, afirmando que é necessário haver “diálogos sinceros” porque “a paz é artesanal e faz-se todos os dias”.

“Não quero fazer um juízo sem sentir a pessoa”, disse o líder da Igreja católica durante o regresso da visita a Fátima. “Na nossa conversa, eu digo o que penso, ele dirá o que pensa”.

Francisco acrescentou que “a paz é artesanal, faz-se todos os dias”, tal como “a amizade, o conhecimento mútuo, a estima”.

Relativamente à questão dos migrantes, o Papa explica que “há sempre portas que não estão fechadas” e “devemos aproximar-nos das portas que estão, pelo menos, um pouco abertas, entrar, falar sobre as coisas comuns e andar em frente, passo a passo”.

Ainda assim, “é preciso dizer o que se pensa, mas com respeito. Mas dizer, ser muito sincero sobre aquilo que cada um pensa”, realçou o Sumo Pontífice.

O encontro do líder da Igreja católica com o presidente norte-americano deve aconter no dia 24 de maio, durante a visita de Trump a Itália para participar na cimeira do G7, em Sicília.

Mais notícias