Países pobres podem ficar sem peixe para comer em 2050

Relatório da WWF revela que, em 2050, populações dos países em desenvolvimento poderão ter de importar o peixe para consumo próprio.

Reuters

Segundo informações de um documento da World Wide Fund for Nature (WWF), milhões de pessoas de países pobres poderão não ter capacidade para comprar e consumir peixe em pouco mais de 30 anos.

No relatório “À pesca de proteínas – Qual o impacto das pescarias marinhas na segurança alimentar global até 2050”, que foi hoje publicado e contém uma análise da quantidade de peixe que pode ser pescado de forma sustentável até daqui a 30 anos, é feita uma previsão de que muitas pessoas terão de vender o peixe para consumo próprio.

Um dos desafios que a humanidade enfrenta prende-se com o aumento populacional e com a consequente necessidade de aumentar o volume global de alimentos. A pobreza e a deficitária distribuição alimentar colocaram mil milhões de pessoas numa situação de fome.

Para as populações que vivem nas regiões costeiras de países em desenvolvimento, o peixe representa a única fonte de proteína disponível, embora seja menos consumido nos países mais pobres do que na Ásia, América do Norte e Europa. Atualmente, cerca de 500 milhões de pessoas vivem da atividade piscatória.

Uma melhor gestão das pescas e uma captura sustentável é, de acordo com a WWF, a solução para que o peixe seja suficiente para toda a população. Porém, em 2050, prevê-se que os países mais ricos importem peixe dos países em desenvolvimento.

Mais notícias
PUB
PUB
PUB