“Os políticos não têm interesse em combater a corrupção”, acusa Sergio Moro

O juiz federal responsável pela "Operação Lava Jato" lança duras críticas à classe política brasileira e deixa um aviso: "O que a Lava Jato revela é que a impunidade em crimes de corrupção no Brasil não é mais uma regra."

Na perspetiva do juiz federal Sergio Moro, responsável pela “Operação Lava Jato” no Brasil, a classe política não tem interesse em combater a corrupção. “Lamentavelmente, eu vejo uma ausência de um discurso mais vigoroso por parte das autoridades políticas brasileiras em relação ao problema da corrupção. Fica a impressão de que essa é uma tarefa única e exclusiva de polícias, procuradores e juízes,” declarou Moro, em entrevista ao jornal “Folha de São Paulo”.

Questionado sobre o facto de ter fixado benefícios para réus que ainda estão a negociar uma eventual “delação premiada”, suscitando muitas críticas, o juíz argumentou que “o Direito não é uma ciência exata” e deixou um aviso: “O que a ‘Lava Jato’ revela é que a impunidade em crimes de corrupção no Brasil não é mais uma regra.”

Moro também defendeu o levantamento do sigilo das escutas telefónicas com a conversa entre o ex-presidente Lula da Silva e a então presidente Dilma Rousseff, em 2016. Segundo o juiz, “as pessoas tinham o direito de saber a respeito do conteúdo daqueles diálogos.” E garantiu: “Foi seguida a Constituição. Dentro de uma democracia liberal como a nossa, é obrigatório que essas coisas sejam trazidas à luz do dia.”






Mais notícias
PUB
PUB
PUB