Número de contratos a termo no Estado subiu 5,6% num ano

Parlamento discute hoje precariedade na administração pública, a pedido do PCP.

Reuters
Reuters

Numa altura em que o Governo se prepara para avançar com o programa para regularizar os trabalhadores precários do Estado, as estatísticas divulgadas ontem sobre o emprego público vieram mostrar que, num ano, houve um aumento de 5,6% dos contratos a prazo na administração pública, a maioria no Ministério da Educação.

De acordo com a Síntese Estatística do Emprego Público (SIEP), o número de contratos a termo no Estado aumentou em 4.237 no ano passado face a 2015, fixando-se em 75.759. Estes valores, que incluem contratos em funções públicas e ao abrigo do Código do Trabalho, a termo certo e incerto, representam mais de 11% do emprego total do Estado.

A grande maioria dos contratos a termo (70.204) estão na administração central, com as autarquias a registarem em dezembro do ano passado 3.155 contratos a termo. Aliás, segundo as estatísticas da Direção-geral do Emprego Público (DGAEP), este tipo de vínculo caiu na administração local (há menos 273 contratos a termo do que há um ano).

O tema da precariedade no Estado volta a estar na ordem do dia, com um debate requerido pelo PCP, a decorrer esta tarde no Parlamento.

O relatório apresentado pelo Governo conta 116 mil vínculos temporários no Estado, entre contratos a termo, recibos verdes, estágios, bolsa de investigação e contratos emprego-inserção. Porém, ainda não se sabe quantos trabalhadores serão abrangidos pelo programa de regularização que deverá arrancar em outubro.

  • Eu mesmo

    Hahahahahahaha!!! É o “virar de página” e a “palavra dada” do derrotado oportunista Bosta com a ajuda da esquerdalha pseudo defensora dos trabalhadores.
    Reles “gente”…

  • José, Província

    Nem comento.

  • Born in 1960

    Um problema que não é novidade e não é exclusivo deste governo. Este problema tem cruzado vários governos, de diferentes cores politicas. Podemos dizer que o Estado tem funcionários a contrato há 15 anos.