Negócio de Jorge Mendes está a ser investigado pelo Fisco

Em junho, o jogador colombiano Radamel Falcao foi acusado de crimes fiscais, ao que se terá apontado Jorge Mendes como o cérebro de um esquema que passava pela criação de sociedades offshore para desviar do Fisco receitas de direitos de imagens.

O negócio do empresário Jorge Mendes, dono da Gestifute e agente de vários futebolistas de renome, está a ser alvo de uma inspeção por parte da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT), no âmbito de uma investigação europeia ao setor do futebol. A Gestifute confirma a inspeção e garante que irá colaborar com as autoridades com a “transparência de sempre”.

Segundo avança o ‘Jornal de Notícias’, em causa estão os negócios levados a cabo pelo empresário nos últimos três anos, em Portugal. “Tudo o que tem a ver com Jorge Mendes é suspeito”, afirma fonte da AT ao jornal, sublinhando que é pertinente passar a pente fino todos os principais negócios do dono da Gestifute, no que diz respeito a tranferências de futebolistas, equipas técnicas e de gestão das respetivas fortunas.

Em junho, o jogador colombiano Radamel Falcao foi acusado de crimes fiscais, ao que se terá apontado Jorge Mendes como o cérebro de um esquema que passava pela criação de sociedades offshore para desviar do Fisco receitas de direitos de imagens. O empresário negou as acusações, mas está a ser investigado em Espanha.

As autoridades nacionais estão a trabalhar em estreita colaboração com Espanha para verificar se os crimes apontados ao empresário foram também usados por jogadores e treinadores que atuam ou atuaram em competições nacionais e são representados por Jorge Mendes.

A Gestifute estar a ser investigada pelo Fisco, dizendo que o procedimento “vem decorrendo em absoluta normalidade, tendo a Autoridade Tributária escrutinado todas as operações e documentos que entendeu analisar e o cumprimento de todas as obrigações de natureza tributária que impendiam sobre a sociedade”. A empresa garante ainda que “mantém com a Autoridade Tributária a colaboração e a transparência”.





Mais notícias