Não interessa se o Brexit é hard ou soft, mas se à esquerda ou à direita, diz Maçães

O ex-secretário de Estado defende que se Jeremy Corbyn assumisse o cargo de primeiro-ministro, o Brexit poderia tornar-se num veículo para um movimento de renovação socialista.

O ex-secretário de Estado social-democrata Bruno Maçães assina esta segunda-feira um artigo de opinião onde defende que mais do que se o Brexit será hard ou soft, o que interessa na saída da União Europeia é se o Reino Unido vai virar à esquerda ou à direita. “Um Brexit socialista vai redesenhar o Reino Unido e a Europa”, escreveu Bruno Mações no jornal Politico.

“O debate fundamental já não é entre aqueles que se opõem ao Reino Unido abandonar o bloco e aqueles que querem arrancar o penso rápido. A tensão está entre diferentes visões de para onde o país está a ir”, referiu o social-democrata. Maçães lembra que depois das eleições legislativas, a 8 de junho, o Reino Unido acordou com uma realidade diferente.

O socialismo do líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, já não parecia “não elegível”, tendo ganho terreno com o apoio do eleitorado mais jovem. Por outro lado, os Conservadores de Theresa May pareciam desgastados. “Uma questão importante ainda persiste sobre o Brexit – e mais especificamente, o que é os ganhos eleitorais do Partido Trabalhista significarão para a saída do Reino Unido do bloco”, escreveu.

Por um lado, o Reino Unido de Theresa May está mais próximo dos Estados Unidos de Donald Trump, com a primeira-ministra focada em defender o Brexit contra as críticas. Por outro, o líder dos Trabalhistas, Jeremy Corbyn, está a olhar para o futuro, segundo o ex-secretário de Estado do Governo de Pedro Passos Coelho.

“Se Corbyn assumisse o cargo de primeiro-ministro, o Brexit poderia tornar-se num veículo para um movimento de renovação socialista”, defende Bruno Maçães. “Corbyn entendeu isso melhor do que qualquer outra pessoa. O referendo do Brexit – proporcionado e promovido por outros – deixou Corbyn com o espaço que precisava para promover uma renovação socialista. Ele criou uma clara distinção entre um Brexit de corrida para o abismo e um Brexit que dá primazia ao emprego”.

Mais notícias