Motociclistas nas faixas do ‘bus’? Lisboa quer ser ‘amiga’ dos motards

A Câmara Municipal de Lisboa (CML) informou hoje que vai colocar, até setembro, sinalização em 93 troços para permitir o alargamento da área onde os motociclistas podem circular nas faixas de transportes públicos, estimando abranger um total de 42 quilómetros.

Numa resposta enviada à agência Lusa, a autarquia diz que se encontra em curso “um procedimento concursal que permitirá a implementação da sinalização vertical e horizontal durante os dois próximos meses e até ao início do próximo ano letivo, em setembro”.

Em causa estão “93 novas localizações/troços de corredores BUS existentes, aos quais se somam os três troços já implementados no projeto-piloto, portanto um total de 96 troços de corredores BUS”, assinala a autarquia, falando numa extensão global do projeto de cerca de 42 quilómetros.

O município acrescenta que a data foi escolhida para “não condicionar a circulação rodoviária por este tipo de trabalhos a partir dessa altura, principalmente a circulação dos transportes públicos, dado que existirá inevitavelmente um incremento do tráfego na cidade”.

No final de junho, o executivo municipal aprovou por unanimidade uma proposta que prevê o alargamento da área da cidade onde os motociclistas podem circular nas faixas de transportes públicos.

O município explica que, “após a implementação completa de cada corredor BUS & Moto, com a respetiva sinalização, o mesmo passará a estar legalmente disponível para os veículos de duas rodas a motor”.

Para testar a criação destes corredores mistos, a autarquia aprovou, em março de 2016, uma fase piloto, cuja implementação física do projeto-piloto só ficou concluída em dezembro do mesmo ano. Inicialmente, estavam abrangidas as avenidas Calouste Gulbenkian e de Berna e a Rua Braamcamp. Esta fase piloto terminou no passado mês de junho. A Câmara aguarda a versão final do relatório que pediu ao Instituto Superior Técnico, no âmbito da monitorização da fase piloto.

Relativamente à nova área, o município indica que “dentro das suas competências e fiscalizações correntes, as autoridades policiais da cidade serão sensibilizadas para as mudanças ocorridas e corredores BUS abrangidos e para os que não estão considerados nesta medida”.  adianta.

 

 

 



Mais notícias