Membros da Fed defendem fim dos estímulos nos EUA ainda este ano

Minutas da última reunião do Federal Open Market Committee (FOMC) revelam que os membros discutiram uma inversão da postura do banco até ao final de 2017.

Kevin Lamarque/Reuters

A Reserva Federal norte-americana poderá estar cada vez mais próxima de uma inversão na política monetária. Na última reunião do Federal Open Market Committee (FOMC), os membros do comité defenderam uma política menos acomodatícia ainda este ano, segundo mostram as minutas do encontro de 15 de março, divulgadas esta quarta-feira, pelo banco central dos EUA.

Na última reunião de política monetária, a Fed não surpreendeu e deu aos mercados o que esperavam: uma subida da federal funds rate (a taxa de juros indicadora) em 25 pontos base, para 0,75% e 1%. Esta foi a primeira subida deste ano e a terceira desde dezembro de 2015, sendo que estão previstos três aumentos até ao final de 2017.

A novidade está relacionada com as políticas não convencionais. A presidente da Fed, Janet Yellen, afirmou apenas, na altura, que a política monetária se mantinha acomodatícia, mas sabe-se agora que “a maioria dos participantes antecipou a continuação de aumentos graduais da federal funds rate e avalia como apropriada uma mudança na política de reinvestimento do comité ainda este ano”, como referem as minutas.

Depois do fim do programa de compra de ativos, a Fed continuou a reinvestir os juros, uma linha de atuação que poderá estar a chegar ao fim. Sobre a estratégia de abandono, os participantes na reunião aconselharam uma eliminação gradual ou cessação da compra de títulos do Tesouro, bem como obrigações hipotecárias ao mesmo tempo.

Os membros do FOMC defendem, assim, uma redução da folha de balanço da Fed, mas ressalvam que o fim da política acomodatícia deve ser feita de forma gradual.

“Vários participantes enfatizaram que a redução da folha de balanço deve ser conduzida de forma gradual e previsível”, acrescenta. Os membros do FOMC estarão a acautelar um choque na economia causado pelo fim dos estímulos.

No entanto, não foi explícito se o abandono da política monetária não convencional será discutido na próxima reunião de política monetária da Fed, que terá lugar entre 2 e 3 de maio, em Washington.

Quase todos os membros do FOMC consideram que a economia dos EUA está já próxima do pleno emprego e que a inflação subjacente não está ainda estabilizada no objetivo dos 2%, mostram as minutas. Apesar disso, não houve concordância sobre o risco da subida dos preços. Os membros do comité dividem-se sobre se a inflação irá ultrapassar a meta ou não, o que poderá comportar um risco.

Mais notícias
PUB
PUB
PUB