Mais de 400 escolas com falhas no sistema de videovigilância

Instalado no início do ano, o novo sistema de videovigilância escolar já registou defeitos em cerca de 40% dos estabelecimentos de ensino aderentes.

Os equipamentos de videovigilância de mais de 400 escolas das 1150 que estão inseridas desde janeiro no novo sistema assinalaram falhas, depois de vários gestores do projeto terem estado no terreno. A sua manutenção requer uma despesa de aproximadamente dois milhões de euros, avança o “Diário de Notícias” desta terça-feira.

“Está planeado o lançamento de um concurso tendo em vista a manutenção dos equipamentos nos casos mais urgentes”, afirma ao DN fonte oficial do Ministério da Educação sobre o caso, que pode estar a por em causa o trabalho de identificação de suspeitos por parte das autoridades.

Além dos defeitos encontrados – que podem variar entre falhas nas câmaras ou sensores avariados – em cerca de 40% dos estabelecimentos de ensino aderentes, há relatos de que em 35 escolas o sistema de videovigilância está mesmo desligado. De acordo com fontes contactadas pelo jornal, o executivo português já recebeu o alerta. “Supostamente, por falta de fundos, tem vindo a adiar o concurso para o projeto de manutenção dos equipamentos de suporte do sistema”, dizem.