Lucros da Euronext caem 9% no primeiro trimestre, para 43,9 milhões

A plataforma que junta as bolsas de Amsterdão, Bruxelas, Lisboa, Londres e Paris viu os resultados diminuírem por causa de custos extraordinários.

Reuters

Os lucros da Euronext caíram 9% no primeiro trimestre deste ano, face a igual período de 2016, para 43,9 milhões de euros, anunciou hoje a empresa.

Em comunicado, a empresa que gere plataformas de negociação de mercados de capital, incluindo o de Lisboa, explica que registou 3,1 milhões de euros de custos excepcionais, quando em 2016 tinha registado 600 mil euros positivos.

Estes custos decorreram da “implantação do plano estratégico Agility for Growth, projetos de TI em andamento e novas iniciativas de negócios”. 

O volume de negócios da Euronext permaneceu estável no primeiro trimestre do ano, aumentando 0.1% face ao período homólogo de 2016, para 126.6 milhões de euros, impulsionado pelos volumes de negociação em dinheiro e derivados.

A Euronext registou um EBITDA – resultados antes de juros, impostos, depreciação e amortização – de 70,5 milhões de euros, o que significa uma diminuição face aos 71,8 milhões de euros de 2016.

“Estes custos estão essencialmente relacionados com a potencial aquisição da LCH.Clearnet, enquanto os itens excepcionais de 2016 beneficiaram de um ajustamento da provisão relacionada com os planos de reestruturação franceses”, justifica a Euronext.

“Mais uma vez, a Euronext provou a resiliência do seu modelo de negócio com uma receita estável e um forte EBITDA no primeiro trimestre de 2017, apesar de negociar volumes reduzidos ano a ano. A implantação do nosso plano estratégico está a crescer e estou extremamente orgulhoso de anunciar dois desenvolvimentos que mostram o nosso compromisso de oferecer valor aos acionistas e clientes”, disse o presidente e CEO da Euronext NV, Stéphane Boujnah, em comunicado. 

PUB
PUB
PUB