Livre circulação de pessoas pode manter-se no pós-Brexit, admite May

A sugestão foi dada por Theresa May, aos meios de comunicação social, durante a sua visita oficial à Jordânia e à Arábia Saudita.

Reuters

A primeira-ministra britânica, Theresa May, está no Médio Oriente mas a União Europeia – ou melhor, as estratégias do Reino Unido para a saída do projeto europeu – permanecem na base das conversações com os jornalistas que se dirigiram com ela à Jordânia e à Arábia Saudita.

Na madrugada desta quarta-feira, a BBC noticiou que a governante britânica sugeriu aos meios de comunicação social que a livre circulação de pessoas se pudesse manter após o derradeiro mês de março de 2019.

Theresa May explicou que primeiramente haverá uma fase de “implementação”, uma vez que as empresas e os governos necessitam de “um período de tempo” para se ajustarem às potenciais novas restrições do acordo e reforçou a ideia do governo britânico de que o ‘Brexit’ dará ao Reino Unido um maior controlo das suas fronteiras.

Questionada pelos jornalistas sobre o que pode acontecer se houver uma fase de transição, a primeira-ministra retorquiu com a seguinte explicação: “Você usou a expressão fase de transição, eu usei o termo período de implementação.”. “Assim que a acordo estiver concluído, assim que concordarmos que a nova relação será para o futuro, será necessário que haja um período de tempo para as empresas e os governos se ajustarem e assim por diante, dependendo da natureza do negócio”, acrescentou.