Juros da dívida portuguesa caem depois da revisão da Fitch

As 'yields' das obrigações benchmark seguem em queda enquanto o principal índice bolsista nacional negoceia com ganhos, a beneficiar da revisão da perspetiva da agência de notação sobre o 'rating' da República.

Cristina Bernardo

Portugal está a viver um bom momento aos olhos dos investidores. Esta segunda-feira, os juros da dívida pública benchmark seguem em queda enquanto o principal índice bolsista nacional negoceia com ganhos, a beneficiar da revisão da perspetiva da Fitch sobre o rating da República.

“Nos últimos dias, Portugal tem sido bastante aplaudido pelas instâncias europeias devido à recuperação económica do País, sendo que a Fitch sobiu o outlook e melhorou a perspetiva nacional para positiva, levando Portugal a subir o rating e em dezembro considera até tirar o país dos lugares de lixo”, explica o gestor da corretora XTB, João Tenente.

Os juros da dívida portuguesa a 10 anos atingiram esta segunda-feira um mínimo intraday de 2,85%, sendo que há mais de uma semana que as yields das obrigações benchmark não ultrapassam a barreira dos 3%.

Na bolsa nacional, o dia é também de ganhos com o PSI 20 a avançar 0,42% para 5.295,91 pontos. Em destaque estão as valorizações da Navigator (2%), da Sonae (1,94%) e da Pharol (1%). A travar as subidas no índice, a Mota-Engil perde 1,28%.

“O PSI20 segue em linha com a evolução positiva dos restantes índices europeus, no entanto, não sendo para já o índice que mais valoriza. O índice português até é dos índices que mais razões tem para valorizar”, acrescenta o gestor da XTB. “As cotadas portuguesas estão a reagir bem a estes elogios”.

“O setor bancário continua em alta e estes indicadores vêem afirmar ainda mais este bom momento”, refere João Tenente, numa altura em que o BCP avança 0,59% para 0,239 euros por ação. “O setor energético segue a recuperar, depois das quedas da passada semana”. A EDP sobe 0,46% para 3,061 euros e a Galp negoceia nos 13,585 euros.





Mais notícias