Julgamento de Lula: procurador afirma que ex-presidente “se corrompeu”

O procurador brasileiro criticou, também, o que classificou como “cultura retrógrada”, ao comentar a relação entre as empresas e a política. “Essa relação entre o mundo político e empresarial se mostra como uma intimidade absolutamente artificial baseada apenas no toma lá da cá”, disse.

Ueslei Marcelino/Reuters

O procurador regional brasileiro que participa no julgamento Lula da Silva, pela acusação, afirmou hoje que o ex-presidente brasileiro se deixou corromper e que a defesa foi incapaz de apresentar elementos de prova que afastassem essa ideia.

O julgamento do recurso do ex-presidente Lula da Silva de uma condenação a uma pena de nove anos e seis meses pelos crimes de corrupção passiva e branqueamento de capitais, em primeira instância, no âmbito do processo “Lava Jato”, que já resultou na prisão de empresários e políticos.

O Ministério Público brasileiro acredita que Lula terá recebido um apartamento triplex em Guarujá, no litoral de São Paulo, entregue pela construtora OAS, em troca de alegados benefícios em contratos com a petrolífera Petrobrás.

No julgamento desta quarta feira, no Tribunal Regional Federal da 4ª Região, o procurador Maurício Gotardo Gerum afirmou que a defesa não conseguiu apresentar qualquer elemento probatório consistente que afastasse a acusação dos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

“Lamentavelmente, Lula se corrompeu”, resumiu.

Maurício Gotardo Gerum também questionou a atuação do ex-presidente da empreiteira da OAS, José Aldemario Pinheiro Filho, ao mostrar a Lula o apartamento triplex no Condomínio Solaris, no Guarujá, em São Paulo.

“Causa estranheza que o presidente da empreiteira faça as vezes de mestre de cerimônia ou corretor de imóveis ao apresentar o imóvel a um ex-presidente e a sua família”.

Gerum criticou, também, o que classificou como “cultura retrógrada”, ao comentar a relação entre as empresas e a política. “Essa relação entre o mundo político e empresarial se mostra como uma intimidade absolutamente artificial baseada apenas no toma lá da cá”, disse.

Na defesa da acusação, o procurador acusou ex-líder do PT de ser o verdadeiro dono do triplex e rebateu a tese da defesa de que Lula da Silva não interferia na escolha dos diretores da petrolífera Petrobras.

“Era evidente e transparece nos autos a atuação de Lula na indicação de diretores da Petrobras”, afirmou. Disse também que, ao assumirem os cargos, os diretores da empresa assumiam aquilo a que chamou de “cláusula de corrupção”.

Lula da Silva foi condenado pelo juiz Sérgio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava Jato na primeira instância da Justiça Federal, em Curitiba.






Mais notícias