Jerónimo Martins arrasta bolsa de Lisboa para abertura negativa

Os títulos da retalhista estão a descer após os resultados do primeiro trimestre terem ficado ligeiramente abaixo das previsões dos analistas. Na Europa, o destaque vai para a queda da bolsa francesa depois do ataque de ontem em Paris, que foi reivindicado pelo Daesh e poderá influenciar a primeira volta das eleições no domingo.

A Bolsa de Lisboa recua 0,19%, castigada principalmente pela descida da Jerónimo Martins, num cenário misto nas praças europeias. O PSI 20 negoceia nos 4.893,60 pontos.

Os títulos da Jerónimo Martins desvalorizam 1,78% para 16,01 euros. A retalhista anunciou ontem após o fecho do mercado que o lucro da Jerónimo Martins cresceu 0,4% no primeiro trimestre deste ano, face a igual período de 2016, para 78 milhões de euros, mas ficou abaixo das expetativas.  Os analistas contactados pelo Jornal Económico esperavam um crescimento de 4% dos resultados líquidos da empresa de distribuição. Já os resultados antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (EBITDA) saíram ligeiramente acima do esperado, tendo crescido 4,6%, para 192 milhões de euros, quando o consenso apontava para um ritmo de expansão de 4%.

A Pharol perde 0,65% após ter tombado 8,85% ontem com a empresa, que é a maior accionista da brasileira Oi, a revelar que um tribunal holandês ordenou que duas subsidiárias da telecom brasileira avancem com processos de insolvência.  Alguns dos principais pesos-pesados estão a pressionar o PSI 20: a Galp cai 0,42% e a EDP recua 0,28%.

Na Europa, a tendência dos mercados acionistas não é clara. O alemão DAX, o britânico FTSE 100 e o espanhol IBEX registam ganhos tímidos de até 0,20%. Em sentido contrário, o índice francês CAC 40 perde 0,40%, numa altura de enorme tensão no país. O auto-proclamado Estado Islâmico reivindicou o ataque de ontem nos Campos Elísios, em Paris, no qual uma troca de tiros causou dois mortos e um ferido. O ataque ocorreu apenas três dias antes da primeira volta das eleições presidenciais de domingo, aumentando as tensões numa corrida imprevisível.





Mais notícias