Investimento público atinge mínimo desde 1960

Investimento público não chegou aos 2% do PIB e Portugal é o quarto país com menos investimento público da UE.

Cristina Bernardo

O peso do investimento público português no Produto Interno Bruto (PIB) em 2016 foi o mais baixo de sempre, de acordo com dados da Associação de Empresas de Construção e Obras Publicas e Serviços (AECOPS). No ano passado, o investimento ficou nos 3,41 mil milhões de euros, o que representa uma diminuição de 16,5% em relação a 2015.

Em relação ao PIB, o investimento público representou 1,8% do total, o valor mais baixo desde que há registo nas bases europeias, ou seja, 1960. Em termos relativos, o peso do investimento público caiu meio ponto percentual e 2,2 pontos percentuais no total do investimento.

“Através da redução do investimento público, o Estado travou o relançamento do setor numa altura em que o imobiliário e o setor privado davam claros sinais de recuperação, contribuindo, assim, decisivamente para a degradação da atividade da construção”, refere o relatório da associação.

Este ano, espera-se que a situação se inverta. O Orçamento do Estado para 2017 prevê um aumento um aumento do investimento público de 21,5% em relação ao ano passado, em linha com os parâmetros do programa europeu Portugal 2020. “Os seus efeitos deverão repercutir-se favoravelmente na Construção e permitir, por fim, a tão desejada recuperação do setor”, acrescenta.

Portugal é ainda o quarto país da União Europeia (UE) com menor investimento público, apenas atrás de Espanha, Chipre e Irlanda. A média do peso do investimento público para os 28 países da UE é de 2,9% e a média da zona euro é 2,7% do PIB. A liderar a lista está a Hungria com um investimento público superior a 6%, enquanto a Irlanda está na fecha a lista com menos de 2%.





Mais notícias