Inversão de tom de Trump destabiliza bolsas europeias

O PSI 20 abriu as negociações com ganhos, mas inverteu a tendência e segue agora com quase todas as cotadas em queda.

Reuters

A bolsa portuguesa negoceia esta quinta-feira em terreno negativo, depois de ter iniciado a sessão com ganhos. Na última sessão antes da Páscoa, o PSI 20 recua 0,24% para 4.967,34 pontos com quase todas as cotadas no vermelho, seguindo a tendência europeia numa semana mais curta e numa altura em os mercados europeus estão a reagir a uma entrevista de Donald Trump, publicada esta manhã, em que o presidente dos EUA mostra uma inversão de postura.

A pressionar o principal índice nacional estão os títulos dos CTT, que caem 0,78% para os 5,110 euros, os da Galp Energia que descem 0,41% para 14,590 euros e os da Jerónimo Martins que recuam 0,27% para 16,715 euros. Em sentido contrário, negoceiam com ganhos apenas a Sonae Capital (0,82%) e a Pharol (0,59%).

Ainda em Portugal, os juros das obrigações benchmark, ou seja a 10 anos, negoceia em torno dos 3,850%, depois de o Tesouro ter emitido ontem 1.250 milhões de euros em Obrigações do Tesouro. A procura foi robusta e o IGCP, agência de gestão de dívida pública portuguesa, colocou o montante máximo indicativo, com as taxas a caírem de forma acentuada face a leilões anteriores.

Entre os índices bolsistas europeus, o sentimento é negativo, com o alemão DAX a cair 0,22%, o britânico FTSE 100 a perder 0,41%, o francês CAC 40 a recuar 0,43% e o espanhol a descer 0,30%. Donald Trump está a marcar o dia nos mercados depois de ter afirmado, em entrevista ao Wall Street Journal, que o dólar está a ficar demasiado forte e que prefere que a Reserva Federal norte-americana mantenha as taxas de juro mais baixas.



Mais notícias