Inspetores do SEF pressionados por Governo e TAP para “despachar” passageiros

"O Governo quer impor-nos tempos máximos", denuncia o presidente do sindicato dos trabalhadores do Serviços de Estrangeiros e Fronteiras.

Os inspetores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) no Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, têm sido pressionados para deixarem passar mais rapidamente os passageiros no controlo de passaportes, revela o Expresso deste sábado.

O presidente do sindicato dos trabalhadores do SEF, Acácio Pereira, disse ao semanário que o objetivo da pressão diária, por parte da concessionária e do Governo, é diminuir os tempos de espera de quem chega ao país.

Para outro porta-voz da mesma instituição, a denúncia alarga-se à TAP, que alegadamente fará telefonemas regulares a chefes de turno do SEF a exigindo tratamento prioritário para os seus viajantes que têm voos de ligação e precisam de passar no controlo de passaportes.

Em resposta às críticas, a ANA – Aeroportos de Portugal e a TAP consideram que as acusações não têm fundamento, acrescenta o semanário.

 

“O Governo quer impor-nos tempos máximos”, afirma ao semanário o sindicalista, citando o documento onde o Ministério da Administração Interna definiu a fixação de menos de 40 minutos para “tempo máximo de espera de processamento no controlo de fronteiras”. Segundo um inspetor que trabalha no Aeroporto Humberto Delgado, contactado pela mesma publicação, trata-de uma meta “impensável”.





Mais notícias