Inesperadas e curiosas: Associaria estas profissões à indústria automóvel?

Nem só de engenheiros e designers vive a indústria automóvel. Na conceção de um novo modelo são várias as profissões envolvidas. Conheça as cinco mais curiosas.

A criação de um novo modelo está habitualmente associada a profissionais como designers, engenheiros ou trabalhadores da linha de montagem. No entanto, o desenvolvimento de um novo modelo revela várias profissões curiosas que requerem um elevado grau de habilidade, criatividade e precisão. Eis as cinco mais curiosas, de acordo com um vídeo publicado pela Seat.

Piloto de Testes: Nas instalações da Seat, em Martorell, os pilotos de teste percorrem anualmente dois milhões de quilómetros. Estes profissionais estudam ao pormenor a performance dos veículos assim que estes saem da linha de montagem, testando-os a diferentes velocidades e em seis tipos diferentes de piso, incluindo estradas calcetadas e superfícies desniveladas para garantir que não existem ruídos parasitas. Durante este processo são também testados a buzina, os travões e as luzes.

Escultor: Utilizando barro, estes profissionais esculpem à mão e à escala real os modelos gerados por computador. Para este processo são utilizados 2500 kg de barro e gastas até 10 mil horas de trabalho paciente. Estes modelos são utilizados para visualizar a silhueta de um automóvel e ajustar o design antes da fase de produção.

Alfaiate: Cose à mão os padrões que serão utilizados nos estofos com o intuito de criar a combinação entre cores, tecido e pele que melhor se adapta a cada modelo. Estes profissionais experientes utilizam mais de 30 metros de costura para completar a estofagem de cada carro e as suas criações são feitas com dois anos de antecedência.

Testador de bancos: Esta profissão consiste no desenho do banco ideal. Os testadores e as suas equipas têm de realizar até 20 mil operações de rebatimento para cada tipo de banco. O estudo é exaustivo: é preciso encontrar as espumas adequadas e os tecidos e costuras apropriados, bem como a estrutura que melhor se adapta aos vários tipos de corpo que usarão o banco, além dos que se adequam às condições externas. São ainda responsáveis por desenhar corretamente os apoios de cabeça para evitar lesões no pescoço.

Sommelier automóvel: O seu instrumento de trabalho mais valioso é o nariz. Utilizam-no para conseguir o típico “cheiro a carro novo”. Estas equipas de químicos realizam mais de 400 testes de cheiro por ano, expondo os carros a temperaturas de até 60ºC. Ao abraçar esta profissão, os sommeliers automóveis ficam impedidos de fumar ou de usar perfume, para não prejudicar os resultados dos testes.

Mais notícias