IEFP: candidaturas para quatro mil estágios começam esta terça-feira

Programa do Instituto de Emprego e Formação Profissional tem duração de nove meses e destina-se sobretudo à inserção de jovens no mercado de trabalho ou à reconversão profissional de desempregados.

A primeira fase de candidaturas para quatro mil estágios profissionais começa esta terça-feira e implica uma dotação orçamental de 18,8 milhões de euros. Os estágios profissionais do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) têm uma duração de nove meses e destinam-se sobretudo à inserção de jovens no mercado de trabalho ou à reconversão profissional de desempregados.

“Este quadro de prioridades da estratégia do Governo para o mercado de trabalho inclui, entre outros elementos, a introdução de uma maior seletividade na utilização das medidas de emprego, garantindo uma adequada cobertura dos públicos com maiores dificuldades de integração ou reintegração profissional e privilegiando inserções mais sustentáveis no mercado de trabalho”, explicou em comunicado o ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, citado pela agência Lusa.

O ministério tutelado por António Vieira da Silva introduziu algumas alterações ao programa. Os jovens entre os 18 e os 30 anos que tenham pelo menos o ensino secundário são os destinatários principais desta medida, mas podem também candidatar-se pessoas que estejam desempregadas há mais de 12 meses, desde que cumpram alguns requisitos.

Os desempregados têm de ter entre 30 e os 45 anos e, pelo menos, uma certificação de nível secundário, obtida nos três anos anteriores ou estar inscritos num Centro Qualifica, caso tenham uma certificação inferior ao nível secundário. Já as pessoas com mais de 45 anos que, caso tenham uma certificação inferior ao nível secundário, terão que estar inscritos em Centro Qualifica.

O programa destina-se ainda a pessoas com deficiência e incapacidade, que integrem família monoparental, cujos cônjuges ou parceiros com quem vivam em união de facto se encontrem igualmente inscritos como desempregados no IEFP, vítimas de violência doméstica, refugiados, ex-reclusos e toxicodependentes em processo de recuperação, independentemente do tempo de inscrição.



Mais notícias