Hotelaria: 1.º trimestre foi o melhor dos últimos 10 anos

Número de empregados no setor do alojamento aumentou 18%, totalizando 62 mil pessoas. As previsões apontam para o crescimento deste número, que deverá acompanhar o aumento dos 41 novos hotéis previstos até ao final de 2017.

A Associação da Hotelaria de Portugal revelou que os hotéis portugueses tiveram no primeiro trimestre do ano a melhor performance dos últimos dez anos. Neste período verificou-se um aumento na criação dos postos de trabalho, que se prevê crescer ainda mais com as novas ofertas do sector.

No total, Portugal contabilizou 8,8 milhões de dormidas em empreendimentos turísticos, sendo que 86% se registou em hotéis, hotéis-apartamento e pousadas. O número de hóspedes recebidos no país neste trimestre ultrapassou os 3 milhões, o que representa um aumento de 6,4% face ao período homólogo. Comparando estes dados com os do primeiro trimestre de 2007, o aumento foi de 48%.

Estas conclusões são apresentadas na primeira edição do AHP Hotel Snapshot, uma publicação que pretende fazer uma análise a fundo da atividade hoteleira. Importa referir que os números não foram influenciados pelas “férias da Páscoa”, que este ano aconteceram em abril.

O número de empregados no sector do alojamento aumentou 18%, totalizando 62 mil pessoas. As previsões apontam para o crescimento deste número, que deverá acompanhar o aumento dos 41 novos hotéis previstos até ao final de 2017.

A associação salienta ainda o crescimento de 17% relativo às exportações do sector do turismo, face ao mesmo período em 2016. Um crescimento que se sentiu no crescimento de 2,8% do PIB nos primeiros três meses do ano.

A Alemanha, Espanha e França representam, em conjunto, 49% dos mercados externos, no entanto, o mercado que regista o maior crescimento é o mercado brasileiro, com mais 68% face ao ano anterior, seguido do mercado polaco com mais 40% e do mercado norte-americano com mais 34% face a igual período de 2016. Apesar deste crescimento, em termos de quota, o Brasil detém Brasil 9%, os EUA 4% e a Polónia 2%.

A AHT conclui que os europeus reforçaram as intenções de viajar nos mercados europeus mas, pretendem diminuir as estadias contando com um orçamento médio de cerca de 1990 euros.

Como primeira opção de alojamento surgem ainda os hotéis, especialmente no caso do mercado brasileiro e norte-americano, que contam com uma taxa de 59% e 57% respetivamente.

“O turismo urbano é uma das grandes tendências de procura e o sentimento de segurança do país é um dos principais critérios de decisão, seguido do clima, cultura e gastronomia”, conclui o documento.





Mais notícias