Grupo chinês HNA investe no Deutsche Bank

Grupo torna-se, assim, no terceiro maior acionista do banco alemão e não descarta a hipótese de aumentar o seu investimento, mas sem ultrapassar os 10%.

Johannes Eisele/Reuters
Johannes Eisele/Reuters

O grupo chinês HNA referiu a sua participação de 3,04% no alemão Deutsche Bank, que já havia registado mudanças nos seus acionistas. O investimento, registado a 15 de fevereiro, foi feito através do grupo de investimentos financeiros industriais, Hainan Jiaogulan Holding.

Desta forma, o HNA torna-se no terceiro maior acionista do banco alemão, ficando atrás do fundo soberano de Qatar (com investimento feito na ordem dos 10%) e da BlackRock, com 6,1%. No entanto, esta participação pode aumentar brevemente. O HNA não descarta a possibilidade de aumentar o seu investimento, mas sem nunca ultrapassar os 10%.

Numa tentativa de evitar especulações sobre quais as suas intenções, o grupo chinês expressou plena confiança na equipa de gestão do Deutsche Bank.

As ações do banco alemão mantiveram, na sessão de hoje, tendência em baixa, em linha com as quedas registadas da maior parte do setor financeiro europeu.

Apesar destas quedas recentes, o banco alemão apresenta um saldo positivo, referente aos últimos 12 meses, de 11%. A sua contribuição mantém a recuperação iniciada a partir de níveis baixos alcançados em setembro passado, quando deflacionado ao limiar de 10 euros por ação.

As dúvidas sobre a estabilidade das contas do Deutsche Bank subiram no ano passado com o pedido de uma multa multimilionária por parte das autoridades norte-americanas, tendo desencadeado, ainda, rumores de um “resgate público” da entidade.

  • Revoltado

    Claro!…e a seguir vai apostar no Furão….eles sabem muito…

  • O manjerico.

    Os chinos avançam em todas as frentes.

  • 00SEVEN

    Havia muita palermada que rabiscava umas coisas aqui e noutros locais que o Deutsche Bank ia causar o abalo financeiro mundial!
    Onde é que eles andam?

  • CAMINHANTE

    O Mundo da confusão em que vivemos… já não existem interesses Nacionais, só o da Alta Finança Mundialista. Adaptemo-nos…