Grandes superfícies pagam pouco aos produtores de batatas? APED culpa “condições de mercado”

A Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição afirma que "tem conhecimento e está consciente de que a atual conjuntura de mercado no que respeita à produção e escoamento de batata nacional tem tido como consequência a quebra de preço pago à produção".

O excesso de produção de batata é um problema “exclusivamente” das condições atuais do mercado, diz a Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED).

A justificação da APED surge depois do descarregamento de cerca de 10 toneladas de batata junto ao Intermarché, ao Lidl e ao Continente em Salvaterra de Magos, Santarém, durante a madrugada, como forma de protesto dos agricultores, que argumentam que as grandes superfícies pagam muito pouco aos produtores.

Foto cedida ao Jornal Económico

“A APED lamenta que as insígnias da distribuição estejam a ser utilizadas, mais uma vez, para resolver um problema que resulta exclusivamente da conjuntura de mercado, iludindo os consumidores portugueses, não permitindo um debate esclarecido dos problemas reias desta fileira”, disse a associação, em comunicado, a que a agência Lusa teve acesso.

A Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição afirma que “tem conhecimento e está consciente de que a atual conjuntura de mercado no que respeita à produção e escoamento de batata nacional tem tido como consequência a quebra de preço pago à produção”, mas garante que as associações já estão em diálogo com o Ministério da Agricultura, para que seja encontrada uma solução para atenuar a presente crise.

“A APED tem mantido um diálogo com as estruturas representativas desta fileira, bem como tem vindo a colaborar para a criação de uma estratégia de valorização da batata nacional, tendo os seus associados há muito desenvolvido um conjunto de parcerias para a valorização da produção nacional”, refere.

 

 

PUB
PUB
PUB