Governo tem de ser “cauteloso” e pesar todas as medidas, diz Centeno

O ministro das Finanças diz que após o brilharete na consolidação orçamental em 2017, o Governo vai continuar a reduzir o défice público mas tem de ter cuidado pois não controla todos os elementos, incluindo as projeções para as poupanças nos pagamentos de juros.

Cristina Bernardo

Mário Centeno afirmou esta sexta-feira que o esforço de consolidação orçamental para este ano apresentados pelo Governo no Programa de Estabilidade é menor do que anteriormente previsto devido aos bons resultados de 2017, mas alertou que o Executivo está a ser cauteloso pois não domina todos os riscos.

“Nós tínhamos projetado para 2018 uma melhoria no saldo orçamental de 960 milhões de euros, e em consequência da melhoria da execução em 2017, a melhoria que agora estamos a projetar no défice é apenas de 360 milhões de euros. Estes mais de 500 milhões de euros de ajustamento na trajétoria do défice correspondem à interpretação que o Governo faz cautelosa, responsável, daquilo que foram e serão as traduções permanentes em receita e em evolução da despesa dos bons resultados de 2017”, referiu o ministro das Finanças em conferência de imprensa.

“Faremos essa transição em dois anos, estes mais de 500 milhões de euros em 2018 e mais 500 milhões de euros em 2019 de maneira a que o défice que agora representamos em percentagem do PIB para 2019 é o mesmo que tínhamos previsto há um ano”, explicou.

O Programa de Estabilidade 2018-2022 divulgado esta sexta-feira confirma a redução de 0,4 pontos percentuais do objetivo para o défice orçamental este ano, para 0,7% do produto interno bruto (PIB), e de 0,2% para 2019.

“Temos de ser cautelosos, temos de perceber que as poupanças em juros são dependentes da evolução do mercado que o Governo português não controla, está ao nível dos riscos identificados. Temos que medir todas as medidas da forma como elas possam ser sustentáveis no futuro”, alertou Mário Centeno.






Mais notícias
PUB
PUB
PUB