Governo português propõe a criação de três novos impostos europeus

O Governo português defende também que a participação de cada Estado-membro da UE no orçamento comunitário seja aumentada em 0,2 pontos percentuais do produto interno bruto (PIB), para 1,2%.

O Governo português defende a criação de três novos impostos europeus e o aumento da contribuição dos Estados-membros para o orçamento comunitário, notícia o jornal “Público”, na sua edição desta segunda feira.

Segundo o jornal, que cita um responsável governamental não identificado, a proposta de criação e novas fontes de receitas para a União Europeia (UE) passam pela criação de três tipos de impostos: a taxação digital, a taxação verde e a taxação sobre transações financeiras internacionais.

O Governo português defende também que a participação de cada Estado-membro da UE no orçamento comunitário seja aumentada em 0,2 pontos percentuais do produto interno bruto (PIB), para 1,2%.

O “Público” informa que a posição portuguesa foi já transmitida à Comissão Europeia pelo primeiro-ministro, António Costa.

A disponibilidade portuguesa para aumentar a contribuição foi, aliás, assumida pelo primeiro-ministro na sexta-feira, ao participar na conferência promovida pelo Conselho Económico e Social sobre “O Orçamento e o Futuro da União Europeia”, em Lisboa, que contou com a presença do comissário europeu para o Orçamento e Recursos Humanos, Guntther Oettinger.

António Costa defendeu, na altura, que a União Europeia deve procurar mais “recursos próprios” para responder às necessidades dos europeus e declarou que Portugal está disponível para aumentar a contribuição nacional para o orçamento comunitário.

A posição portuguesa será formalmente institucionalizada na reunião informal do Conselho Europeu de 23 de fevereiro.

Portugal acompanha, assim, a posição da Comissão Europeia e do seu presidente, Jean-Claude Juncker, que defende o aumento da participação dos Estados-membros de 1% para 1,2%. Já a posição do Parlamento Europeu é a de que o aumento seja para 1,3%, refere o “Público”.




Mais notícias
PUB
PUB
PUB