Governo foi à Volkswagen defender importância da Autoeuropa

O ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, garantiu este domingo que o Governo tem acompanhado a situação na Autoeuropa e explicou, em entrevista à Lusa, que esteve em Milão com o CEO da Volkswagen.

O Governo português tem estado a acompanhar a situação na Autoeuropa e reuniu-se com o CEO da Volkswagen para discutir o assunto. Em entrevista à agência Lusa, o ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, explicou que na conversa com o presidente executivo da empresa, defendeu a importância do investimento na Autoeuropa.

“O Governo tem estado atento e em contacto com as duas partes. Estive em Milão com o CEO da Volkswagen para lhe transmitir que este é um investimento muito importante e no qual o país está empenhado”, disse Caldeira Cabral, à margem de uma visita a Vila Nova de Gaia para assistir a último dia da prova de acrobacia de aviões Red Bull Air Race.

O ministro acredita que a paz social tem sido uma marca da empresa e “uma marca que reforçou muito a atração deste investimento”. Disse estar, por isso, “certo de que em investimentos futuros a Volkswagen vai continuar a apostar nesta fábrica”.

Caldeira Cabral defendeu que se deve tentar “conseguir encontrar uma posição comum entre a administração da empresa e os interesses da administração e as reivindicações naturais dos trabalhadores”, de acordo com a Lusa, acrescentando que será possível encontrar uma solução.

“Penso que é nesse sentido que a administração está a trabalhar, com sentido de responsabilidade, a mesma com que os trabalhadores estão a tentar encontrar uma plataforma de entendimento para que haja paz social”, acrescentou.

Os trabalhadores da Autoeuropa estiveram esta quarta-feira em greve depois da rejeição de um pré-acordo entre a administração e a Comissão de Trabalhadores, que se demitiu e convocou eleições para 3 de outubro. Em causa está a obrigatoriedade de os funcionários trabalharem ao sábado, como está previsto nos novos horários de laboração contínua que a empresa espera implementar a partir de novembro.





Mais notícias