Governo poderá fasear redução do IRS em 2018 e 2019

Na reunião com o Presidente da República sobre o Programa de Estabilidade, Catarina Martins já tinha reforçado a ideia de aumentar os escalões de impostos sobre rendimentos.

O Governo vê com bons olhos a posição apresentada por Catarina Martins sobre a redução do IRS e admite fasear a mudança nos escalões do IRS (Imposto sobre o Rendimentos de Pessoas Singulares) em 2018 e 2019, caso a reforma se torne dispendiosa, segundo o jornal “Público”.

De acordo com a notícia veiculada pelo diário esta terça-feira, o montante de 200 milhões inscrita no Plano de Estabilidade para efeitos IRS não vai ser aplicada no crédito fiscal para os mais pobres, sugestão que foi dada pelo Partido Socialista durante a campanha para as eleições legislativas.

“No Programa de Estabilidade está previsto um impacto de 200 milhões de euros e é uma medida sobre os escalões. (…) É preciso ver como fica o desenho da medida, se passar a margem que temos prevista para 2018, terá de ser faseada”, revela fonte próxima do primeiro-ministro ao matutino. Segundo a mesma fonte, o IRS não vai subir para os que ganham mais.

O Governo de António Costa está a debater uma revisão dos escalões do IRS com o Bloco de Esquerda, o PCP e Os Verdes. No início de abril, o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Pedro Nuno Santos, reiterou o “compromisso de aumentar a progressividade nos escalões de IRS”. Após a reunião com o Presidente da República sobre o Programa de Estabilidade, a líder bloquista referiu que o partido “sabe que regressar ao período antes de Vítor Gaspar [redução para cinco escalões do IRS] custaria 2000 milhões de euros” e que não parece possível “encontrar num único orçamento verba para fazer esse caminho”.

Mais notícias