Governo defende que austeridade não é responsável por Pedrógão Grande

O secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares afirmou, em entrevista à TSF e Diário de Notícias, que os portugueses continuam a confiar no Estado, apesar dos casos dos incêndios no centro do país e do assalto a Tancos.

O secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares defendeu esta quarta-feira que não há relação entre a austeridade e a tragédia em Pedrógão Grande ou o assalto em Tancos, em entrevista à TSF e Diário de Notícias. No dia em que se debate o Estado da Nação, Pedro Nuno Santos afirmou que não existem evidências nesse sentido, referindo-se assim às críticas de que o Governo tem sido alvo.

“Não temos informação, antes pelo contrário, de que estes sejam acontecimentos motivados pela austeridade presente ou passada”, afirmou. “Essa é outra resposta com que alguns se precipitaram de forma oportunista para explicar dois incidentes graves que têm que ter resposta, mas cuja explicação muito provavelmente não é essa, o que não quer dizer que não haja necessidade de em geral se investir e se aumentar o investimento nos serviços públicos”.

Apesar disso, Pedro Nuno Santos garantiu que “é uma prioridade para o PS” aumentar “o investimento nos serviços públicos”. O secretário de Estado ressalvou ainda que “foi com o PSD e o CDS no Governo que os serviços públicos sofreram os maiores cortes dos últimos anos”. Sobre os casos de Pedrógão Grande e de Tancos, o socialista disse acreditar “os portugueses continuam a confiar no Estado”.



Mais notícias
PUB
PUB
PUB