Gastos em material para bombeiros triplicaram face a 2016

Neste verão, as quantias despendidas em obras, projetos de arquitetura, compra de viaturas, equipamento diverso e vestuário foram de 847 mil euros em junho; 4,7 milhões em julho; e 4,8 milhões em agosto (sem IVA).

Os contratos de equipamento para bombeiros mais do que triplicaram neste verão, subindo 261% em relação ao período homólogo do ano passado, informa o Público desta segunda-feira.

Segundo a informação consultada pelo diário, através do Portal Base, entre os meses de junho, e agosto de 2017, as verbas gastas tiveram o valor de 10.374.291 euros. Em 2016, os acordos para este tipo de aquisições tinha sido de 2.872.165 euros.

Neste verão, as quantias despendidas em obras, projetos de arquitetura, compra de viaturas, equipamento diverso e vestuário foram de 847 mil euros em junho; 4,7 milhões em julho; e 4,8 milhões em agosto (sem IVA).

No ano passado, as verbas com equipamento (mobiliário, material de combate a incêndios, vestuário, etc.) foram as mais altas, com 806 mil euros para equipamento e 374 mil destinados ao vestuário), sendo que este ano foram de 153 mil euros (equipamento) e 92 mil euros (vestuário).

O presidente da Liga de Bombeiros Portuguesa, Jaime Marta Soares, disse ao matutino que não acredita que este acréscimo tenha que ver com as próximas eleições autárquicas, que se realizam a 1 de outubro. “Havia muita coisa atrasada do anterior programa que só agora foi lançada”, afirmou à mesma publicação, referindo-se à abertura do programa Portugal 2020, por exemplo.





Mais notícias