Função Pública: STE exige aumentos de 2% para salários e pensões

Frente Sindical exige ainda a redução das contribuições para a ADSE, dos atuais 3,5% para 2,5%.

Reuters

A Frente Sindical, composta por vários sindicatos, entre eles, o Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado (STE) e o dos Trabalhadores dos Impostos (STI), exige um aumento de 2% no próximo ano para salários e pensões na administração pública.

As reivindicações constam da proposta para 2018 da Frente Sindical que integra ainda o Sindicato dos Enfermeiros, o Sindicato dos Profissionais de Polícia e o Sindicato Independente dos Profissionais de Enfermagem.

Além da atualização da tabela remuneratória e das pensões, a organização sindical exige o descongelamento das progressões para os trabalhadores da administração pública, lembrando que “foram suspensas para a grande maioria dos funcionários ao longo da última década, apesar destes terem sido sujeitos ao processo de avaliação de desempenho”.

Na proposta para 2018, a Frente Sindical avança ainda com a atualização do subsídio de refeição para 6 euros, sem sujeição a desconto para o IRS e a reposição do valor a pagar pelo trabalho suplementar e ajudas de custo.

A descida das contribuições a pagar pelos trabalhadores para a ADSE é também uma das propostas da estrutura sindical, que exige que o desconto para o sistema de saúde baixe dos 3,5% para 2,5%.

“A possibilidade de alargamento, ainda em 2017, da base de beneficiários a todos os trabalhadores da Administração Pública, aos cônjuges, descendentes e ascendentes bem como a outros grupos, aumentará significativamente o valor de receitas próprias da ADSE”, sublinha a Frente Sindical.

Quanto às pensões, além de um aumento de 2%, os sindicatos querem “regras mais benéficas para as carreiras contributivas longas e a possibilidade de aposentação aos 60 anos de idade com 40 de contribuições” bem como “atenuar o fator de sustentablilidade para as reformas antecipadas da CGA”.

Numa altura em que decorre o processo de regularização dos trabalhadores precários do Estado, a Frente Sindical exige “uma concretização eficaz do Programa de Regularização Extraordinária dos trabalhadores precários, sem esquecer os trabalhadores dos Fundos (PO)”.

A revisão das carreiras é outra das reivindicações da organização sindical.






Mais notícias
PUB
PUB
PUB