Função pública: 100 mil podem falhar progressões na carreira

Em causa estão profissionais que tiveram promoções nos últimos anos.

Há mais de 100 mil funcionários da função pública que podem não progredir na carreira no próximo ano, escreve o Correio da Manhã. 

Em causa estão as carreiras especiais como polícias, professores, militares, diplomatas, guarda-prisionais e médicos, que tiveram promoções nos últimos anos.

Esta é uma medida do Estado para controlar a despesa com os funcionários, que vai aumentar com a reposição das progressões.

Nas Forças Armadas, na GNR, e na PSP o impacto financeiro pode chegar aos 45 milhões de euros, apurou o CM. O Governo planeia pagar de forma faseada o aumento salarial dos funcionários, que pode ter um custo de 248 milhões de euros por ano.

O jornal escreve que há cerca de 250 mil trabalhadores da função pública cujas carreiras estão congeladas há anos.





Mais notícias