FMI: guerra comercial é principal risco para crescimento económico global

A instituição de Bretton Woods sublinha que o agravamento das tensões comerciais e a imposição de barreiras mais amplas ao comércio transfronteiriço afetariam a atividade económica global e a confiança.

Facundo Arrizabalaga/Reuters

O Fundo Monetário Internacional (FMI) está mais otimista em relação ao crescimento económico global, mas aponta vários riscos, incluindo o agravamento na guerra comercial entre a China e os Estados Unidos, que pode levar a um conflito global.

No World Economic Outlook, publicado esta terça-feira, a instituição liderada por Christine Lagarde reviu em alta as perspetivas de crescimento. Estima uma expansão do produto interno bruto (PIB) de 3,9% tanto em 2018 como em 2019, impulsionado pela continuação da recuperação do investimento e do comércio global, bem como pelas condições financeiras favoráveis, e após , o crescimento global mais rápido desde 2011, no ano passado (3,8%).

“As economias avançadas crescerão mais rapidamente que o potencial neste ano e no próximo; as economias da área do euro deverão reduzir o excesso de capacidade com o apoio da política monetária acomodatícia, e a política fiscal expansionista levará a economia dos EUA ao pleno emprego”, refere o documento.

“Embora os riscos ascendentes e negativos para as perspetivas de curto prazo sejam, em geral, equilibrados, os riscos para além dos próximos trimestres tendem claramente para o lado negativo. As preocupações do lado negativo incluem um endurecimento possivelmente acentuado das condições financeiras, o declínio do apoio popular à integração económica global, as crescentes tensões comerciais e os riscos de uma mudança em direção a políticas protecionistas e tensões geopolíticas”, explicou.

A instituição de Bretton Woods sublinha que o agravamento das tensões comerciais e a imposição de barreiras mais amplas ao comércio transfronteiriço afetariam diretamente a atividade económica, mas também enfraqueceriam a confiança.

Os riscos estão interligados: se um materializa, pode desencadear os outros, segundo o FMI. Refere, por exemplo, que uma mudança política generalizada para o protecionismo pode aumentar as tensões geopolíticas e a aversão global ao risco, levando a choques não económicos que pesem na atividade económica de curto prazo e na confiança no longo prazo.

A consequente limitação do apetite pelo investimento teria um impacto negativo severo, considerando que haveria menos espaço para reduzir as taxas de juros ou aumentar os gastos públicos que no passado.

 






Mais notícias
PUB
PUB
PUB