Florestas são “ouro verde” na Suécia, com preços a atingir recorde

As taxas de juros negativas levam a que vários proprietários de florestas no país se aproveitem dos baixos custos dos empréstimos para expandir as suas terra

Não, a Suécia não nos vai imitar em nomes de novelas. O ‘ouro verde’ dos suecos são as árvores. Os preços das florestas na Suécia estão a chegar a um novo recorde, uma vez que as baixas taxas de juros estão a levar os investidores a procurar retornos para ativos alternativos. Os proprietários têm utilizado os baixos custos dos empréstimos para expandir as suas terras, escreve a Bloomberg.

Observando a evolução dos preços dos territórios florestais, pode perceber-se que subiram para 419 coroas (cerca de 43,95 euros à cotação atual) por metro cúbico, no primeiro semestre deste ano, quando há dois se encontravam 398 coroas (aproximadamente 41,75 euros) e há 15 anos valiam metade, segundo os dados da empresa de consultoria da Federação de Agricultores Suecos LRF Konsult, divulgados esta terça-feira.

“Toda a gente quer mais florestas, seja proprietários ou empresas privadas”, afirmou um dos responsáveis da LRF Konsult Markus Helin, numa entrevista à agência noticiosa. “O interesse em comprar florestas está a aumentar de todo o lado e acho que essa tendência continuará”, sustentou, durante os esclarecimentos telefónicos.

A federação estima que os valores continuem a subir, à medida que a economia sueca se pauta por baixas taxas de juros baixas e por vários estímulos do banco central – o Riksbank injetou quase 300 biliões de coroas (perto de 32 mil milhões de euros) no país através de compras de títulos.

Nessa ótica, Markus Helin considera que uma das principais razões para o aumento dos preços deste ‘ouro verde’ sueco são as baixas taxas de juros, que geram incentivos para investimentos em ativos alternativos, como florestas. Além disso, os proprietários “geralmente têm baixos índices de dívida” e estão, então, a aproveitar os baixos custos dos empréstimos para comprar mais.



Mais notícias