Fitch avisa que plano do Reino Unido para o Brexit enfrenta “desafios significativos”

A agência de notação financeira afirma ainda, num relatório divulgado esta segunda-feira, que uma saída da União Europeia sem acordo “permanece possível”, ainda que não seja o cenário mais provável.

Andrew Boyers/Reuters

A Fitch alertou esta segunda-feira para os “desafios significativos” que o plano de Theresa May para o Brexit enfrenta atualmente. Num relatório publicado esta tarde, a agência de notação financeira norte-americana avisa que o esboço do divórcio entre o Reino Unido e a União Europeia pode não ser “aceitável” para os negociadores da comunidade única e mesmo para o próprio Parlamento do britânico, como demonstram as recentes renúncias de dois ministros [David Davis e Boris Johnson].

“A incerteza política, económica e institucional decorrente das negociações entre o Reino Unido e a União Europeia reflete-se na perspetiva negativa de rating soberano ‘AA’ do Reino Unido”, refere a Fitch. Os analistas desta agência consideram que uma saída do país do bloco europeu sem acordo “permanece possível”, ainda que este não seja o cenário mais provável.

“As renúncias de David Davis como ministro do Brexit e Boris Johnson como ministro dos Negócios Estrangeiros destacam o desafio político interno que o governo do Reino Unido enfrenta na construção de apoio para o seu plano do Brexit (…). As ramificações políticas completas não são claras, mas evidenciam a incerteza quanto à coesão política e à plataforma política do governo do Reino Unido, evidente desde as eleições de junho de 2017”, explica a mesma análise.

Para a Fitch, um dos desafios técnicos que o plano da primeira ministra Theresa May enfrenta é a dúvida sobre como implementar o acordo alfandegário desejado e evitar um processo difícil na fronteira com a Irlanda. Além disso, os peritos da agência norte-americana colocam no leque de obstáculos a questão de a União Europeia considerar ou não uma área de livre comércio para bens, mas não para serviços.

Libra desliza com a crise no governo britânico






Mais notícias
PUB
PUB
PUB